13 janeiro 2013

Nostalgia



Quando me procurares,
Guia-te pela estrela da fantasia,
Sem Norte, seguindo todos os luares
Onde nos encontrámos, um dia.

Se me procurares,
Segue o trilho de dor que me guia,
Sem réstia daqueles mares
Revoltos da nossa orgia.

Se me encontrares,
Será somente numa via:
De múltiplos sentires e pesares
Que hoje eu chamo “nostalgia”.

4 comentários:

Braulio Pereira disse...

olá Sofia

virtuosa . doce e femenina

mais um belo poema da tua essencia



beijos

Maria João disse...


Em algum lugar nos achamos, e em algum lugar nos encontram... com tudo o que percorremos para sentir o que sentimos.

Um beijinho

São disse...

Gostei ´, claro, do poema...e acho o novo cabeçalho muito agradável.

Abraço grande.

© Piedade Araújo Sol disse...

encontra de certeza(se assim o quiser).
um poema que é uma suplica.
gostei, embora com uma mescla profunda de nostalgia.
boa semana.
beijo

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin