20 janeiro 2013

Abrigo



O tempo pára quando contigo me deito. Faço-me tua, saboreando-te me deleito. Sigo-te os gestos. Os murmúrios. Os beijos. O ritmo que me inflama. Na soleira da nossa cama.
O tempo que pára para nós, nas vontades cegas de tanto amar. Nos corpos desejosos de se abrigar. Na urgência de fugir e de partilhar. Abrigo livre onde vens desaguar. 

7 comentários:

Braulio Pereira disse...

sensual lindo


bom domingo


beijos.

Nilson Barcelli disse...

Há abrigos assim, aconchegantes e verdadeiros ninhos de amor.
Magnífico texto, gostei muito.
Querida amiga, tem um bom domingo e uma boa semana.
Beijo.

Fernando Santos (Chana) disse...

"Perguntei a um sábio ,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas ,
a Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e querida
companheira.
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem
dentro do seu coração."
~Willian Shakespeare

Cumprimentos

Lídia Borges disse...


Redondo como ninho a linho debruado
este dizer íntimo e apaixonado.

Um beijo

Sofá Amarelo disse...

Não é por acaso que Abrigo rima Contigo e Amigo, porque um abrigo só faz sentido quando há duas almas envolvidas, na cumplicidade da amizade e no desejo dos corpos...

vieira calado disse...

Bonito, sim senhor!

Saudações minhas!

© Piedade Araújo Sol disse...

abrigo e rio ou talvez porto,

muito belo.

beij

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin