29 janeiro 2013

A cadeira



No estúdio,  soçobra  uma melodia.
Os espelhos retribuem a pele suada.
A bailarina, só, na sala vazia
Limpa o suor à toalha lavada.

Após o plié e os passos de dança
Firma a barra, fita o espelho.
Desenha um cambré, fica, descansa
Na réstia de acordes dum ritmo velho.

Abraça com as pernas uma cadeira
Despida de cor, calada, triste,
E recorda, da manhã, a brincadeira
Que a despertou para o sexo em riste.

Quebra-se o remanso
No abrir da porta,
Vai-se o descanso
Fica a sala torta.
 
Quando o amante,
Veloz e selvagem,
Entra de rompante
Buscando a miragem
 
Das coxas de seda
Rodeando a cadeira
Numa labareda
Envolvendo-a, inteira.

Estende-lhe a mão,
Puxa-a para si
E já a outra mão
Lança o frenesi.
 
Ateado o fogo,
Procuram-se as bocas.
Começa o jogo
Das línguas loucas.
 
O membro ereto
Voraz, sedento,
Num ângulo reto,
Lambe-a por dentro.

Um pas-de-deux nunca ensaiado
Esboça-se na luxúria dos sentidos,
Faz da cadeira leito improvisado
Ao som de beijos, gritos e gemidos.

Reflete-se no espelho o desejo urgente,
Ergue-se o punhal para o festim guloso
Dança, sobe, desce, num prazer crescente
Que leva ao orgasmo doce e langoroso

Termina empatada a luta de titãs
Caem saciados os beligerantes
Jaz encolhida a espada que,  pelas manhãs,
Saúda o dia com ímpetos escaldantes.

6 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Há um ritual de dança nas palavras desenhadas na luxúria dos sentidos, através de ensaios improvisados mas que têm o reflexo repetido dos ímpetos escaldantes... ou a Vida como ela é... ou deveria ser: natural, intensa, de procura voraz do prazer em sonhos definidos... porque só assim os gestos fazem sentido... e quando as palavras conseguem tocar no mais íntimo do (in)consciente de quem as saboreia, é porque a perfeição existe!

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente texto....
Cumprimentos

Tiago disse...

Boa noite, Filoxera :)
Sou o Tiago do antigo blog Reflexões Exteriores, talvez ainda te lembres! Os anos foram-se passando e hoje calhou regressar a este teu espaço. Gostei do que foste escrevendo nos últimos meses. Parabéns pelo teu empenho, pelo teu livro editado, pelos teus filhos que vão crescendo bem :)
Beijinhos e continuação de felicidades para a tua vida! (ataque de saudades dos tempos em que andava activo neste círculo da blogosfera!).

Tiago

A.S. disse...

Belo! Intenso! Sensual!...
Um delicioso deslizar de palavras sobre a pele, como se fossem ardentes caricias...


Beijos,
AL

Por que você faz poema? disse...

"Minha espada erguida para a guerra com toda fúria que ela encerra, no entanto ela é tão doce..."

Nilson Barcelli disse...

A cadeira, ou o bailado dos corpos, "Rodeando a cadeira Numa labareda Envolvendo-a, inteira"
Excelente poema. Gostei muito.
Filó, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin