15 dezembro 2015

O teu sorriso


O dia sem cor.
As horas, amorfas, pedem uma acendalha que os olhos não alcançam, hoje: o teu sorriso.
Tardes assim, nostálgicas como a chuva, convocam memórias de gargalhadas cúmplices, gestos marotos.
Refugio-me na cozinha. Começo pelas panquecas para o lanche e, enquanto tento mantê-las direitinhas com umas mãos inquietas, penso noutras mãos, descobrindo prazeres escondidos em locais seríssimos, fintando presenças desconhecedoras. Sorrio por dentro. Um sorriso quente.
Depois, o mais demorado. Preparar o refogado, o bacalhau, as batatas. Um bacalhau com natas numa versão diferente da habitual. A lembrar a originalidade de cada momento nosso. O improviso, a gaffe, os diálogos em que me sinto sempre parva, como na primeira vez. O rirmos de nós mesmos. Tontices de meninos, em saídas de gente semi-crescida.
Por último, as maçãs para assar. O aroma que toma de assalto a casa, recordando-me o teu. Os nossos. Numa fusão de alta temperatura que faria do forno um parente afastado do frigorífico.
Quando termino a empreitada na cozinha, tenho já o teu sorriso na minha cara. 
Mas só eu sei que é teu...

05 dezembro 2015

 
Quando chegas e dizes "leva-me para a cama", os meus pés fogem à força da gravidade.
Levo-te, levamo-nos e o licor que me corre nas veias torna-se o combustível dessa aeronave que inventamos nas nossas peles. As mãos escaldam. E levanto voo. Contigo. Como tinha de ser…
Somos dois a querer subir pelo azul do céu, e é sabido que dois a querer o mesmo dá resultado mais perfeito que o da matemática.
Mergulhamos juntos no algodão doce das núvens, alcançamos as estrelas. Secretamen...te nossas. Nem elas conseguem ofuscar o teu sorriso, nesses momentos…
Por mais que pairemos acima do belo, do imponente e infinito mar, não nos cansamos de saber o mundo lá em baixo.
E aí, não há palavras, não há ciência, não há saber mais comprovado. Não existe regra mais acertada. O sentimento é como o desejo, mais poderoso que qualquer ciência. Como tinha de ser...

01 outubro 2015


Os olhos aguados pela perfeição do momento.
Absorvendo estes azuis, o marulhar da água, a mais-que-perfeita temperatura da luz solar, a aragem acariciando-me.
Na paz dum areal partilhado com as gaivotas e pouco mais, até o livro, minha companhia incondicional, ficou suspenso.
Um momento que me soube a poema. Escrito de improviso, que, como sabem, é como alguns prazeres engrandecem.
Alimento-me do que é belo. E descubro o belo que, a tantos, passa despercebido.


16 setembro 2015

Apresentação do meu novo livro, "Inquieta Ventania", no Porto


 A "montra" :-)


 A mesa


Da esquerda para a direita:
José Gomes, dinamizador das Noites de Poesia de Vermoim
Maria Mamede, que apresentou autora e obra
Sofia Champlon de Barros, autora
Paulo Afonso Ramos, editor
Mário Jorge Martins, representante da Junta de Freguesia de Vermoim


A sala







 Autógrafos





Escola Príncipe da Beira, em Gueifães, onde decorreu a apresentação.

27 agosto 2015

Apresentação de "Inquieta Ventania" na região do Porto


Será já no próximo dia 5 de Setembro que terei o gosto e a honra de poder apresentar o meu novo livro, Inquieta Ventania, às 21.30, na escola Príncipe da Beira, em Gueifães (Maia).
A minha amiga Maria Mamede fará a apresentação, para a qual convido os leitores e amigos. A sessão é pública e de acesso livre e será um prazer encontrar-vos lá.

14 agosto 2015

31 julho 2015

A "vidinha"


Há meses, numa tarde cultural, um dos protagonistas, homem da escrita, dizia que discorda que se escreva sobre “a vidinha”. Que qualquer um escreve, sobre qualquer tema, o que tornava a escrita menos digna. Não sei se foi este o termo exacto que utilizou, mas a ideia era esta.
O autor defendia, perante um auditório significativo, que a escrita deve ser deixada a quem sabe. A quem tem substanciais conhecimentos históricos ou científicos, que a maioria desconhece ou de que tem uma vaga noção.
Duas coisas me fazem afastar de tal posição: a primeira, o tempo infindo que a sua prelecção demorou. Desafiando a capacidade de atenção dum público vasto e diversificado, falava para si mesmo. Um tipo dos que gostam de se ouvir.
A segunda, é que não podia discordar mais da opinião do cavalheiro. 
A vidinha, aquela sobre a qual tanto se escreve, a banal, rotineira ou mediana, não será a da generalidade de quem escreve e de quem lê? O facto de a maioria dos cidadãos passar por cá sem grande protagonismo histórico, feitos políticos ou descobertas científicas confere menos interesse às suas vidas? Terá a literatura apenas que ver com as grandes personalidades, os factos mensuráveis, a vida real? Ou não será, precisamente, o inverso: a arte de nos perspectivar o comum dos dias como a mais bela experiência, de realçar a magia de vidas triviais, que sabem alimentar uma amizade à distância, vibram quando um nome inesperado surge no ecrã do telemóvel, apreciam uma caminhada num final de tarde que parece cenário? Não valorizará o leitor que um livro lhe lembre a importância dum sorriso terno, o perfume que se liberta na casa enquanto um bolo coze, a espontaneidade dum gesto de ternura, a emoção duma coincidência? 
Eu sou do território das questões, as minhas fronteiras são terras de dúvidas. Não seria capaz, ainda que tivesse dezenas de obras publicadas, de defender a teoria do absoluto, a supremacia do grandioso. Certezas não tenho e nunca comprarei.
Regozijo-me perante o facto de praticamente todos gostarmos de histórias e de estas poderem ser contadas de inúmeras formas, com vozes mais ou menos diversificadas, num estilo e género tão criativos quanto o momento do autor o permitir.
Num tempo em que tantos se agarram ao que lhes é afirmado como doutrina, mantenho a fé. De que cada um é livre de fazer a sua história. De escolher as suas leituras.

20 julho 2015


Conhecem-se menos do que se intuem. Nunca lhes faltou tema de conversa.
Têm visões diferentes e uma ocupação comum.
Um é da imaginação, o outro da recreação. Um está do lado esquerdo da vida, o outro à direita. 
Olham-se com um carinho subentendido, brincam como se se conhecessem desde a infância, falam sobre temas que não conversam com mais ninguém.
Cada encontro, uma colecção de recordações. Gaffes e risos. Sempre. Mudam os luares, como as estações. 
Um bem-estar sem pressas. 
Com tempo para se observarem. Um repara na ligeira imperfeição dos lábios do outro. O outro intriga-se perante um olhar que parece transportar mais países que os deste planeta.
Uma amizade de trilhos súbitos. Incompletos. 
O sorriso do que soa mais certo quando não planeado.

28 junho 2015

Lançamento de "Inquieta Ventania"


Na Biblioteca de Oeiras


A escritora Deana Barroqueiro, que apresentou a obra. A autora, Sofia Barros. 
O editor, Paulo Afonso Ramos. O cantautor Rogério Charraz


Aspecto do auditório


Outra panorâmica do auditório


Autora e editor


A música de Rogério Charraz


Ouvindo as intervenções de quem quis dar o seu contributo no lançamento


Capa de "Inquieta Ventania"


Intervenção do editor


Mais música, com Campo Lavrado", poema de Sofia Barros, 
musicado por Rogério Charraz e incluído no seu mais recente CD, "Espelho"


Uma das leituras de Deana Barroqueiro


Os agradecimentos da autora


As considerações de Deana Barroqueiro acerca do mercado editorial


Rogério Charraz lendo "Ainda espero surpresas"


Outra fase da escrita :-)


Dedicatórias


Aguardando para uma conversa e uma dedicatória


17 junho 2015

Próximo Sábado, dia 20: lançamento de "Inquieta Ventania"


Inquieta Ventania pode ter começado como exercício terapêutico de quem por diversas vezes sentiu em cheque a vida e a liberdade. Ao iniciar a sua leitura, prepare-se para um improvável encantamento da escrevinhadora, que vai ultrapassando os sobressaltos com olhos de ver bonito.
Sofia Champlon de Barros, que começou a escrever sob pseudónimo, no meio difuso da blogosfera, publicou, em 2012, "Antes de Sermos Dia", o seu primeiro livro, com textos poéticos onde paixão e Natureza vinham suturar feridas invisíveis.
Agora, com Inquieta Ventania, a arte de fantasiar mantém a autora firme no mundo real, o dos embates brutais e dos dias doces, sem história, onde as crianças nos devolvem o riso, ao reporem a verdade das coisas simples, belas.
Porque, na vida, nunca sabemos o que o instante seguinte nos reserva, Inquieta Ventania surge como um tapete voador ou uma inspiração profunda, um cheiro a maresia, um fechar de olhos para melhor escutar o coaxar das rãs.
Mesmo quando a vida nos rasteira e a solidão parece esmagar-nos, haverá sempre um sofá onde podemos ir amuar. Ou passar pelas brasas. Para acordarmos de novo e, mais uma vez, encantados com este tempo enigmático, tão curto…

07 junho 2015

Lançamento do meu novo livro, "Inquieta Ventania"



É com um prazer enorme que convido todos os amigos para o lançamento do meu segundo livro, "Inquieta Ventania".
Editado pela Lua de Marfim, será apresentado no dia 20 de Junho, na Biblioteca de Oeiras, às 15 horas, pela escritora Deana Barroqueiro, com a voz e a música de Rogério Charraz.
Na mesa, estarão ainda o escritor António Santos, autor do prefácio, e o editor, Paulo Afonso Ramos.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin