02 dezembro 2011


Não são precisos olhos de poeta para te evocar.
És mar, azul infinito, numa cadência forte e lenta de embalar.

Não são necessárias telas de poeta para te desenhar.
És  paisagem de amor, sorriso encantado que me ensina a voar.

Não é forçoso ter alma de poeta para te sonhar.
És beleza calma, olhar seguro que me sabe (desa)sossegar.

Não é essencial ter sangue de poeta para te inventar.
És grito de saudade, calado no peito onde chegas para morar.

Não bastam acordes de poeta para te cantar.
És riso e pranto, disparate e canção que não me canso de trautear.

Não é fundamental ser poeta para te amar.
És abraço de estrelas cintilantes, aonde sempre irei regressar.

9 comentários:

albana disse...

Não é preciso ser poeta para vir aqui!!!
Gostei de ler e sentir o mar
Linda, a imagem!

Bom fim de semana!
bjinho

Maria disse...

Não é preciso muito para perceber que há recaídas que nos dão asas para voar.
Mas és olhar e corpo de Futuro, e sei que terás coragem para, de vez, o abraçar.

Beijo.

Braulio Pereira disse...

vejo no sorriso do teu olhar.
doce brisa no desejo.
na ternura desse mar
a querer dar-te um beijo


beijos !!

Luis Eme disse...

pois não.

beijinhos Filoxera

Vieira Calado disse...

O tema foi muito bem explorado.

É sempre um prazer visitá-la!

Desejo-lhe um bom fim de semana!

São disse...

Não é necessáro ser poeta para gostar da tua poesia!

Um abraço grande

Chousa da Alcandra disse...

Non é imprescindible ser poeta para ser sensible; máis ti acadas as dúas titulacións!
Beijos

Nilson Barcelli disse...

Não é preciso ser muito dotado para perceber que a tua poesia é muito boa. Este poema é excelente. Gostei imenso.
Querida amiga, bom domingo.
Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

pois não!

o mar é inspiração para todos os poetas.

gostei muit!

beij

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin