24 agosto 2010

Tempo que passas, eco dos dias

Na sombra das noites vazias de luar

Faz com que as horas não passem vazias

De quem eu tanto quero abraçar

Deixa que se faça o trilho completo

De quem ainda agora esboçou o projecto

Porque a noite é longa e está tanto frio

E eu sinto nos ossos o eterno orvalho

Deixa que nos seus braços morra o arrepio

E o meu corpo ali tenha o seu agasalho

5 comentários:

Braulio Pereira disse...

agua fria "gelo"... derrete
palavras belas sensuais..
um deleite ler-te
essencia dos teus ais!!!


beijos querida!!!

Chousa da Alcandra disse...

Deixarse abrazar polo tempo tamén pode provocar ledicias...

Beijos sem título

Vieira Calado disse...

Todos nós procuramos um calorzinho...

não é?

beijinho para si

Antonio Saramago disse...

AI FILOX...COMO TU ENCANTAS!!!

Maria, Simplesmente disse...

Vim só dizer:
Olá... como vai você?
Até breve

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin