23 julho 2009

Quero voltar


(Quero voltar à história que iniciei há demasiado tempo. Uma história de viagens no tempo, de aventura, de coragem.
Durante meses, mergulhei num ambiente que nunca conheci, até porque o enredo passa-se entre 1948 e 1964. Nada me fazia deslocar a minha dedicação para outra coisa. Tendo os dias por minha conta, estudava, pesquisava, encetava contactos, passava documentação a pente fino, transformava os antigos super-8 em dvd's.
Circunstâncias diversas levaram-me a suspender esta paixão. Ora, como se sabe, uma paixão suspensa é uma história não resolvida.
Deixo aqui um vislumbre do que estou a falar. Por várias ocasiões publiquei neste blogue excertos desta escrita, ou textos a ela relativos. Agora, mesmo sabendo que a motivação vem de dentro, incito-vos a opinar acerca de parte do que escrevi. Abaixo fica um texto digamos, de abordagem. Futuramente aqui trarei alguns excertos, porque o retorno, a avalição pelos outros, valem tanto ou mais que a auto-motivação.
Tenho dezenas de páginas que me chamam, insistentemente. E me levam a querer reatar. Porque a paixão não arrefeceu...)

Hoje, 43 anos decorridos sobre a tua morte, chegas junto de mim, trazendo-me uma história.
Chegas por cartas, histórias e filmes. Chegas em novas fotografias e em questões recentes.E eu descubro um um profissional, um aventureiro apaixonado pela vida, que parte para Angola deixando cá as suas âncoras.
Sais em busca de melhores condições e descobres um mundo inimaginável, do qual não mais te separas.
Angola, em 1948, é capim e trilho no mato, mas é também piscina, cinema e condições médicas superiores, nesse ambiente à parte, que era o da Diamang. Animais assustadores, nativos desconhecidos, distâncias incalculáveis. que depressa se convertem em animais apaixonantes, colaboradores dedicados e percursos aparentemente curtos.
Apesar de teres ido para onde ninguém conhecido te esperava, nunca te lamentas, antes te entusiasmas.
Não há desgosto que te arrase, nem leão que te amedronte. As intrigas não te derrubam; tu és coragem e determinação. És sensibilidade e fortaleza, subordinado e chefe.Pões a minha imaginação a mil, fazendo desfilar navios, trilhos, caçadas,trovoadas e mosquitos, colegas, festas, diamantes, feras e paludismo, num caleidoscópio que é passaporte para a tua realidade.
E és escritor e cineasta, amor e desamor, prosperidade e privação.A telefonia, a câmara de filmar e a máquina fotográfica são tradução dum trabalho duro mas envolvente, duma experiência de vida que acabará por ser, também, de morte.
Aventura, descoberta, saudade, paixão, amizade, diamantes, Natureza, calor, paisagens deslumbrantes, África, tragédia. Tudo isto és tu, numa história que agora me contas e que eu ouço estarrecida, expectante e absolutamente maravilhada.Uma história que eu prometo contar, um dia.

11 comentários:

Carminda Pinho disse...

Amiga, lembro-me de outros posts que escreveste sobre o assunto.
Mas agora estou a passar a correr só para te deixar um abraço, estou de partida para uns dias de férias, e desta vez não levo computador.
Vou mesmo tentar descansar.
:)
Até já!
Beijinhos

Pena disse...

Amiguinha:
Como consegue expressar tanta doçura e encanto visíveis e manifestos...?
É uma perfeita amiguinha de sonho.
Linda. Admirável e sensacional prosadora que parece poetiza de fascínio. Lindo, o que escreveu e é.
Bem-Haja, amiga.
Deslumbrante, o seu doce sentir dedicado e manifesto com beleza.
Beijinhos de gratidão pela sua linda amizade...Muitos!

pena

MUITO OBRIGADO pelo ser doce que é.
Muito linda...sabia?
Sempre a lê-la com cuidado e de forma mágica pelo que faz.

Vekiki disse...

Boa :-)
espero...

De Amor e de Terra disse...

Minha querida menina, não percas esse amor pela saudade/recordação, pela escrita, essa paixão "Escrita a quente" na alma e na mente, que nos faz bem, a ti e a quem te lê!
Obrigada pelas palavrs no meu canto.A autorização está dada...com amor, tudo pode ser partilhado!
Beijos
Amizade
Maria Mamede

Carlos Albuquerque disse...

Amiga Filoxera!
Do que tenho lido no seu blogue, da beleza, sentimento, profundidade e paixão que coloca no que escreve; das minhas idas às suas histórias, do que lhes encontrei nas entrelinhas, permito-me dizer-lhe que ficará em divida se continuar a sufocar a sua veia de escritora. Atrevo-me a propor-lhe (perdoe) que crie um personagem narrador da história que tem para contar. Não lhe dê descanso, deixe-o andar, permita-lhe que levede e o livro aparecerá para que possamos lê-lo! Força!
Beijinhos

Gi disse...

Então e será para quando, jásabes? É que os teus posts antigos já conheço e fiquei com vontade de ler mais. ;)

São disse...

Minha linda, penso sinceramente que esta é uma paixão a reatar para todo o sempre e com urgência.


Um abraço grande.

elvira carvalho disse...

Minha amiga eu recordo outros textos sobre este tempo na Diamang e lembro também que gostei bastante.
Eu lerei com muito gosto a história desses tempos.
Um abraço e bom fim de semana

tulipa disse...

OLÁ
Fico à espera!!!

É sempre bom voltar ao teu cantinho.
Tenho andado desaparecida.
Por cá...tristezas já chegam.
A crise bateu à minha porta ontem e uma carta p/Desemprego está aqui à espera de 2ª feira ir entregá-la ao Centro de Emprego.
Enfim...a vida tem destas coisas!!!

Neste momento ainda me encontro em convalescença da pneumonia, por isso quase nem posso brincar c/os netos, nem passear, nem fazer arrumações e limpezas de Verão, enfim...há que ter paciência.
Atenção: não quero ser a "coitadinha" pois algumas pessoas depois de lerem que estou doente, reagem muito mal, com comentários mesmo desagradáveis.

O meu ultimo post tem a ver com o "MAU" que existe na Blogosfera, fico triste. Mas a vida é assim!

Deixo-te um beijo e votos de óptimas semanas de Verão.

Antonio saramago disse...

SÓ MESMO UMA FILOXERA PARA SE INTERIORIZAR NOS TEMPOS REMOTOS!!!

Sofá Amarelo disse...

Sim, eu sei que escreveste essas páginas todas com muito gosto e muita vontade de transmitir histórias que de outra maneira se perderão - espero que consigas reatar e terminar... fico à espera!

Beijokas!!!

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin