21 abril 2008

17/4/1937- 21/4/2006


Aposto que, para te levar, teve de ser por decisão tua.
Digo isto porque já afugentaras diversas vezes, anos a fio, os emissários que ela enviara.
Perante o teu ar determinado e a tua atitude combativa, ela aprendeu a respeitar-te. O seu tempo teria de ser o teu tempo.
Nos últimos minutos do dia 21, sorriste a essa criatura tão perseverante como tu. Os vossos olhares cruzaram-se e assim ficaram por instantes, num entendimento mútuo, já sem intenções antagónicas.
Ela aceitou o teu convite, cordial, para uma dança leve. Pela primeira vez, puderam entender-se. Na sua dança. A dança da morte.

(Não sei como foi a tua partida. Lamentavelmente, estavas no hospital. Para ludibriar o meu coração, que chora a tua morte rodeada de solidão, a minha mente prefere imaginar-te partindo deste mundo assim, numa dança como os famosos tangos da tua juventude.
Até sempre! Aqui, comigo.)

6 comentários:

António Inglês disse...

Venho em silêncio deixar-lhe um abraço e dizer-lhe que a entendo e de que maneira.
António

Blue Velvet disse...

Vinha só deixar-te um beijinho e um abraço apertado, mas depois deste texto, que fui lendo com os olhos marejados de lágrimas, apetecia-me dizer-te tantas, tantas coisas.
Mas tudo te digo numa frase:és linda minha amiga!
Bluevelvet

Maria disse...

Passaram dois anos e .... como te percebo.
Jamais conseguiria escrever um texto tão bonito e tão sentido.
Deixo-te um abraço, com carinho

Carminda Pinho disse...

Amiga,
fiquei aqui, assim parada depois de ler e, só te consigo dizer que gosto muito de ti.

Beijinhos

bettips disse...

Um homem que deixou "Abril" em ti, é um homem para sempre!
Bj

amigona avó e a neta princesa disse...

Querida amiga, deixa-me dar-te um grande abraço. O resto -tu sabes!

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin