18 junho 2007

Pai-herói

Numa das leituras nocturnas de histórias que antecedem o sono do meu filho, o facto de um ursinho do conto ficar preso debaixo do tronco tombado de uma árvore, suscitou-lhe a questão:
- Mãe, como é que o a árvore caiu?
- Provavelmente, a árvora já estaria fraquinha e, com uma rajada de vento forte, acabou por cair.
- Não, já sei: foi a raposa, que quando viu o ursinho ao pé da árvore, fez assim com as patas com muita, muita força (gesticula com os braços, no sentido de empurrar um tronco imaginário) e a árvore caiu.
- Mas as árvores não costumam cair com a força dos animais; às vezes, se já não estiverem muito saudáveis, pode ser um vento muito forte que as faz inclinar ou até cair...
- Ah, então foi o pai da raposa!

Moral da história: contentem-se e aproveitem, pais; não será para sempre que serão verdadeiros Hércules aos olhos dos vossos filhos.

4 comentários:

Anónimo disse...

Os pais são sempre os horois dos filhos, o que não evita que um dia os julguem.
Bj
Da

Anónimo disse...

Infelizmente nem todos os pais foram ou são heróis para os filhos!

Maria Jose disse...

É tão boa essa fase de acharmos o nosso pai um herói ! Dá-nos uma segurança... Parece que nada de mal nos pode acontecer, simplesmente porque o nosso pai está ali...
É tal a confiança e admiração pelo pai, que chegamos a pensar que ele nos defende de tudo e tem solução para tudo, até mesmo para a morte...
Comigo foi assim. Recordo um episódio da minha infância, em que sem querer matei um pintainho (de tanto o abraçar e agarrar pelo pescoço) e, como ele ficou sem movimentos, corri para o meu pai, cheia de orgulho "O meu pai arranja ! Ele arranja tudo !"...
Foi a minha primeira desilusão com ele !!... :))

SOBE E DESCE disse...

Então as férias continuam? Parece-me que ainda está em Porto Santo!
Estou à espera de mais leitura par comentários... e nada.
Da

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin