22 fevereiro 2012

De tanto estarmos sós


Deixo-me conduzir pelos teus passos,
Sombra que me persegue, vadia,
Rastro silencioso dum trilho de abraços,
Percepção vaga de presença em cada dia.
E sei que, se és vento, eu sou ventania.

Deixo-me ir, na direcção do teu olhar,
No embalo dos beijos que ainda ressoam em mim,
Memória duma época que não sei apagar;
Segredo doce que conservo, assim,
Como se fosses princípio, e eu fim.

Deixo-me ficar em nós,
Fantasia ousada de um amor louco,
Feito no tempo que desvendou a voz
Escondida num recanto meu, rouco,
De tanto nos querermos. De tanto estarmos sós…

13 comentários:

Maria disse...

Não há amores loucos. Há estados de alma em que fazemos loucuras... porque todo o amor é sagrado.
Há amores vadios. Os que nos deixam por dentro a sensação de vazio...
porque todo o amor é sagrado.
Há amores sentidos. Os que têm todas as cores todos os poemas todas as canções. O olhar e o abraço. A voz rouca e o cansaço. O ir e vir da maré e o cheiro a sargaço...
mas todo o amor é sagrado!

Beijo

palavrasepomasdeamor disse...

Olá! entrei em teu blog e amei a poesia . se quiseres visita o meu bjo
Carla Granja

http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt/

Fernando Santos (Chana) disse...

Bela poesia... Espectacular....
Cumprimentos

BRANCAMAR disse...

Minha querida,

Esta é talvez uma das tuas mais lindas poesias, que muito me encantou e o comentário da Maria acaba por ser também um bonito poema. Concordo plenamente com ela: todo o amor é sagrado!

Se queres que te diga, acho mesmo que é no momento mais alto da realização amorosa, que mais de perto se toca o Divino, apesar de durante muitos anos os sectores tradiconais da Igreja terem sido os castradores do que são os mais belos momentos da criação e da vida, em nós, como em toda a natureza, de que fazemos parte.

Por isso o teu poema é um hino ao que de belo é eterno em nós.

Beijinhos para ti.
Branca

Braulio Pereira disse...

essencia do desejo..

cantar cantar há vida.ardo com as tuas palavras..quanta beleza quanta paixâo prazer infinito ler-te.
irradias a minha alma sublime poema..

beijos beijos!!

São disse...

Gostei, gostei sim...que te posso dizer mais?

Serena noite

Gisa disse...

Amo passar por aqui!
É precioso o teu texto!
Obrigada pelo carinho sempre!
Um grande bj

elvira carvalho disse...

Excelente poema Filoxera.
O amor tem sempre um pouco de loucura. Como algo sagrado que é tem de se adaptar a nós humanos. E como diz o povo de médico e de louco todos nós temos um pouco...
Um abraço

Nilson Barcelli disse...

"Segredo doce que conservo, assim, Como se fosses princípio, e eu fim. "
Excelente poema, gostei muito.
Filó, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijos.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

É engraçado
como o amor
nos transborda
e também nos esvazia...


Que sempre existam
sonhos a habitar teu coração.

Fê-blue bird disse...

De tanto estarmos sós, a memória faz-nos sempre uma doce companhia.
Muito lindo!

beijinhos

Rita Carrapato disse...

Belo este poema de amor onde a memória conduz o pensamento, o desejo a vontade.

© Piedade Araújo Sol disse...

memórias de um amor (louco?)

sombras que emergem em nós.

um poema de saudade e amor.

muito bom

um beij

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin