11 dezembro 2010

Procura-me nas marés da vida

Na busca poética de quem quer

Atrever-se numa emoção incontida

Descobrindo que há tudo para viver



Encontra-me no silêncio da canção

Que ecoa, num sorriso convertida

No vento que sopra, na inquietação

Em que navegas, numa rota proibida



Abraça-me nessa onda suave e lenta

De quem a toda a hora se reinventa

Pela paixão de velejar em águas quentes



Que, quando me abraças, o abandono

A que me dou é deleitoso qual sono

Dos amantes saciados, sorridentes

13 comentários:

Braulio Pereira disse...

que lindo ternura

doce poema de Amor

o meu aplauso querida


beijos bom fim de semana!!

Maria disse...

E é com um sorriso que te digo bom dia!!!
(com um restinho da noite de ontem ainda a aquecer-me...)

Beijos.

Luis Eme disse...

bonito, terno e apaixonado.

beijinho Filoxera

hfm disse...

Gostei de descobrir este blogue.

Pena disse...

Linda e Preciosa Amiga:
É simplesmente maravilhosa e terna naquilo que concebe de ternura e magia.
"...Encontra-me no silêncio da canção
Que ecoa, num sorriso convertida
No vento que sopra, na inquietação
Em que navegas, numa rota proibida..."

É linda e os seus sentimentos ternos e fabulosos.
Bem-Haja, pela visita linda que expressou no meu blogue.
Desejo-lhe tudo de encanto.
Abraço amigo grato e de respeito.
É um Ser Humano divinal.
Sempre a admirá-la

pena

Linda. Só concebe pureza e deslumbre. Maravilha por onde passa.
Parabéns sinceros.
MUITO OBRIGADO pela sua amabilidade.

Zé Lourenço disse...

Gosto da sua poesia, das suas fotografias e da sua música.
Festas Felizes e um 2011 com tudo de bom.

© Piedade Araújo Sol disse...

ternura de soneto.

beij

Carla Farinazzi disse...

Lindo poema querida!

Muito profundo, gostei da maneira que você escreve! "Descobrindo que há tudo para viver"... e como há!

Um beijo

Carla

São disse...

Quando se descobre que há tudo para viver,é delicioso! Como o teu poema...

Feliz semana.

paulofski disse...

A tua veia poética pulsa de emoção junto com o coração.

Chousa da Alcandra disse...

E se lle puxeras título...sería "saciados", talvez?

Beijos galegos

Sofá Amarelo disse...

É nas marés da vida que os silêncios das canções estão contidos prontos para se reinventarem e navegarem em águas quentes..

Nilson Barcelli disse...

Adorei as tuas palavras.
Belíssimo poema.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin