26 setembro 2014

Ainda aguardo surpresas



Ainda espero surpresas.
A vida trouxe-me quase tudo em doses significativas. Surpresas incontáveis, desilusões violentas.
 Mantenho a capacidade de me surpreender. E gosto de demorar a atenção sobre quem aprecio.
Alguns sonhos, daqueles que temos enquanto dormimos, assemelham-se a cenas de cinema.
Em estado de vigília também sonho. Não com o que é material.
Sonho com o que se vive.
Uma viagem que repõe o espírito no estado lírico.
Uma palavra de apreciação, expressa de forma ímpar.
Um encontro adiado, que acaba por se arrastar no tempo e no espaço.
Uma dança a dois, improvisada na rua.
Um sorriso cúmplice de alguém desconhecido.
Uma mão que segura a nossa, pondo a alma a nu.
Uma paixão que nos leve à cama por dois dias.
Um abraço prometendo um final feliz para uma questão preocupante.
Sonho com o que se vive.

E ainda aguardo surpresas.

2 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Amanhã, se não for amanhã, depois, ou depois, ou depois, ou muito depois. Não importa, dure o tempo que durar, terás a surpresa porque não esperas.
Se a esperasses não seria surpresa.
Eu, por mim, já tive uma: a tua espera...

Nilson Barcelli disse...

Aguarda surpresas sempre.
E nunca digas "ainda"...
Adorei o teu texto.
Tem um bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin