26 julho 2012

Galeão




Vela estendendo-se sobre a cama,
És Sol deitando-se sobre o vasto mar.
Arrepio na pele que se inflama
Num fogo ateado pelo teu olhar.
Faço-me marinheira do teu galeão
Levantando ferro ao mínimo sinal.
Sou tua contramestre nesta expedição
Num oceano de amor com sabor a sal.
Sulcamos juntos este mar infinito,
Sem bússola, navegamos ao sabor do vento,
Rota de murmúrios que rumam ao grito
De tanto prazer que ecoa, em espasmo,
Por todas as estrelas do firmamento
E lançamos âncora no doce orgasmo.

7 comentários:

Gisa disse...

Um bom objetivo para lançar âncora.
Um grande bj

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Estou de regresso e passo para a cumprimentar.
Bom fds

Maria João disse...

Belíssimo poema de amor!

Um mar imenso onde o poeta navega no prazer de viver a partilha do olhar e da pele.

Um beijinho

Nilson Barcelli disse...

Há ocasiões em que lançar a âncora e fundear é o melhor que se deve fazer...
Magnífico poema, gostei imenso.
Tem um bom fim de semana.
Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

terno e sensual.

gostei!

um beij

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, tem um bom fim de semana. E boas férias, se for o caso...
Beijo.

Braulio Pereira disse...

poesia deixa

meus sonhos em delírio .sabor do mar enccanto.

optima semana bom verâo


beijos.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin