09 maio 2008

9 de Maio, Dia de Europa

No seu "optimismo" habitual, a minha mãe chamou-se, pouco depois de ter atendido o telefone.
- Chega aqui ao telefone. Estão a dizer que ganháste uma viagem, deve ser alguma amiga tua na brincadeira...
Não era.
Eu tinha concorrido a uma iniciativa lançada pelo Parlamento Europeu e os prémios eram, precisamente, viagens a instituições da comunidade europeia. E foi através deste telefonema que soube que ganhara a viagem, a Estrasburgo e Paris.
Não cabia em mim de contente, aliás a alegria foi logo denunciada pela senhora que me ligou, satisfeita por sentir a minha reacção.
- É que nunca ganhei nada- expliquei-lhe eu. Além de adorar viajar e estar em vias de partir para locais onde nunca havia estado.
Após inúmeros sobressaltos, já que a universidade não parecia disposta a marcar-me novas datas para as frequências agendadas, a relutância da direcção do curso (precisamente Relações Internacionais) lá foi posta de parte ao verem que eu me dirigi novamente à secretaria, desta vez com uma declaração da Presidência do Conselho da Comunidade Europeia.
A noite anterior à partida foi passada na pousada de Catalazete, em Oeiras, donde a camioneta arrancou às sete da manhã daquele sábado, dia 1 de Junho de 1991.
Foi uma viagem de turistas de pé quase descalço; éramos miúdos entre os 14 e os 18 anos, a quem, à hora da refeições, eram dadas quantias curtas demais para os preços praticados quer em Espanha, quer em França.
As amizades foram surgindo espontaneamente, a um ritmo alegre e entusiasmante.
Durante a viagem, saltou-nos à vista a qualidade das auto-estradas espanholas e francesas e o cuidado que o arranjo das culturas, de cereias e girassóis, denotavam.
Em Estrasburgo, ficámos instalados no Centro Ciarus para a juventude, perto do Palácio de Justiça.
O dia 3 foi passado no Parlamento Europeu, com muitos outros grupos de jovens provenientes de outros países comunitários. Houve uma sessão plenária e trabalhos realizados em comissões, constituidas por elementos de diversos países membros. Tudo em Inglês ou Francês.
Foi um dia memorável, encerrado ao som do Hino da Alegria.
À noite, após um passeio a pé até à zona da catedral, embarcámos num passeio de barco pelos canais. Eufóricos, acreditávamos estar a viver um sonho. Arquitectura notável, harmonia entre o betão e a água, pontes movediças.
A noite foi até bem tarde; dormir não era, propriamente, prioridade.
O dia seguinte rumou a Paris. Na realidade, a pousada onde ficámos era em Athis-Mons.
Assim que nos instaláos, partimos logo rumo à gare, para irmos ver Paris-by-night.
A catedral de Notre-Dame, o Hotel-de-Ville, a Bolsa, a cabeça branca junto ao Centro Pompidou, o Museu do Louvre, a Torre Eiffel, tudo nos deixava encantados.
Regressados ao Auberge de Jeunesse Athos, a animação durou ainda por mais umas horas.
O dia 5 foi para conhecer a Cidade-Luz. Subimos a Torre Eiffel, visitámos o Arco do Triunfo, rimos e percorremos tudo o que o tempo nos permitiu.
Foram dias de festa permanente. Uma aventura inesquecível.
Ainda hoje conservo, além das boas memórias desta excursão proporcionado Conselho Europeu, amizades que perduraram. E fotografias, claro.

A Nona Sinfonia de Beethoven, com que acompanho este post, remete-me, de imediato, à emoção desta viagem.




15 comentários:

São disse...

Que bom , ir com essa idade e grátis até Paris e Estraburgo!!
Paris é uma cidade de que gosto e onde já passei alguns dias.
Montmartre ficou-me no coração e apreciei muito poder estar no Louvre, na Sainte Chapelle, em Notre Dame, passear no bateau-mouche e ver a Torre cintilando na noite!!
Obrigada por me teres feito recordar!
Feliz fim de semana.

Pena disse...

Doce Amiga:
É sempre agradável receber um prémio, mas como este é, simplesmente notável.
Que belo o que descreve. Com uma magia entregue às suas palavras doces e lindas em que foi a protoganista do momento ímpar de beleza e encanto.
Ainda bem, porque nutro por si muita amizade e admiração.
Aproveitou ao máximo, como pude constatar. Adoro viajar e vejo que há pessoas como eu.
Um sensível e lindo Post que adorei.
Fascinante pela ternura da descrição empenhada e terna.
Deve ter sido uma viajem de sonho. Maravilhosa.
Espero que repita muitas vezes.
Excelente!
Beijinhos amigos, com estima e respeito pelo carinho e ternura imensas como concebe os seus Posts reais vividos e verdadeiros em si e no que é.

pena

OBRIGADO pela sua visita. Adorei!

jasmimdomeuquintal disse...

Boas vivências, já vi...
um bj

Carminda Pinho disse...

Amiga,
viajei contigo aqui...pois nunca visitei esses países.
Eu sou do tempo...em que ainda não havia Comunidade Europeia.:)))

Um bom fim de semana e que tudo se componha rápidamente.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Recordações que permanecerão no álbum da memória e tanto mais coloridas quanto maior a distância e a juventude.
Excelente narrativa.

Deixo-te mil beijinhos e desejo-te um bom fim de semana.

elvira carvalho disse...

Que bom uma viagem grátis a Paris. Que como descreve aproveitou muito bem.
Desejo-lhe um bom fim de semana.
Um abraço

jo ra tone disse...

Estas viajens são inesquecíveis
quando nos encontramos na flôr da idade.
Todos os momentos são aproveitados ao máximo.
Belo texto que aqui deixaste que me fez recuar no tempo.
Fico feliz, quando vejo a felicidade de alguém inserida nas suas palavras
Bjo
Bom fim de semana

Maria Faia disse...

Olá Amiga Filoxera,

Fizeste-me sentir saudades dos meus passeios por Paris. Foram poucos, é certo, mas muito bons.

Deixo-te um beijo amigo e votos de um bom resto de fim de semana.

Maria Faia

Pitanga Doce disse...

Pois podes ter a certeza de que no dia em que "euzinha" subir a Torre vou ouvir tocar esta música no meu coração! Desde os meus treze anos quero lá ir!

beijos de Pitanga Doce

Sei que existes disse...

Deve ter sido mesmo uma viagem maravilhosa e inesquecivel!
Beijo grande

Alexandre disse...

Parabéns pelo Prémio, e parabéns por teres usufruído da viagem - mereceste a viagem porque soubeste tirar partido dela!!!

Muitos beijinhos, Filoxera!!!

Oliver Pickwick disse...

Ah! Os velhos bons tempos. Por certo, nesta época, não devias nada a ninguém, ainda não tinha as preocupações típicas relativas aos filhos, e tampouco estava apaixonada.
Cabeça mais fresca, impossível. Não é por acaso que jamais esquecerá tal excursão. ;)
Um beijo!

BlueVelvet disse...

E não é que viajei contigo!
É que descreveste com uma minúcia que está lá todo o entusiasmo que sentiste na altura.
Uma bela recordação.
Beijinhos e veludinhos azuis

Anónimo disse...

Ainda bem que aproveitas-te, e que vives-te cada bocadinho intensamente como é teu hábito com tudo o que gostas e te dá prazer.
Não conhece nenhum destes destinos que tão bem descreves, quem sabe se não serão os próximos. O último foi Cuba - Havana (sei que conheces)simplesmente adorei!!!

Maria, Simplesmente disse...

Estrasburgo é realmente muito bonito, embora eu goste mais do Luxemburgo, principalmente da sua parte medieval.
No Luxemburgo foi onde vi o que me fez chorar com uma enorme emoção. Sentia que tudo aquilo que estava a ver não podia ser realidade, mas se era nem todas as minhas lágrimas chegavam para lhes agradecer. Não esperava ver nada igual.
E somos tão maus uns para os outros, falamos do prezente e do futuro sem saber que futuro nos espera, sem saber que para viver como hoje vivemos perderam-se vidas que talvez fossem melhores que nós.
Bj
Maria

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin