26 janeiro 2008

A sorte que nós temos...







Tinha eu acabado de abrir um email com imagens como as três últimas deste post, quando fui levada a ler um post do Victor Nogueira "anti-prémio da Humanidade", em Em conversa com ... (11) «anti-prémio da Humanidade»
Acreditem ou não, sou daquelas pessoas que todos os dias atenta no que tem de bom na vida. Mas sei que nem todos se lembram de o fazer. Há, mesmo, quem sofra grandes desgostos por coisas que, se analisadas racionalmente, não têm importância alguma.
Achei curioso as duas situações a que acima me refiro terem vindo ao meu encontro quase simultaneamente.
Assim, deixo duas sugestões. A primeira é que se lembrem constantemente da sorte que é ter comida, um tecto, segurança e educação para os filhos. A segunda, que visitem o post acima mencionado. E nada de crises existenciais. O que se impõe é pensar em soluções para dramas como estes.




9 comentários:

Pena disse...

Imagens de profunda dor. Catastróficas da realidade. Desencantadas.
Já alguém de direito e dever viu isto?
São pessoas, são SERES HUMANOS, crianças.
Oh, meu Deus onde pára a dignidade por estas pessoas?
Ficaram-me gravadas e ficarão muito, muito tempo.
Beijinhos.
O Humanismo está desacreditado, ignorado, enfiado nos sofás confortáveis do poder, não?
Sem mais...!!!!!!!!!

pena
Estou muito sensibilizado e comovido sem poder fazer nada.
Sentirão o mesmo as hierarquias fortes do poder no Mundo? Creio que não!

Blue Velvet disse...

Já recebi este mail há muito tempo e também me impressionou.
Às vezes não atentamos a estas realidades por estarem tão longe de nós.
E infelizmnete quem pode, também não se preocupa.
Beijinhos e bom domingo

Carminda Pinho disse...

É claro que quando se vêm imagens como estas (chocantes) até nos achamos egoístas e, acabamos por dizer: a sorte que nós temos.
Mas também é verdade que, se não fizermos nada também por nós, se não lutarmos se não reivindicarmos os nossos direitos, não acabaremos assim...mas vamos perdendo as forças para lutar... por eles, também.

Beijos

amigona avó e a neta princesa disse...

Estou contigo amiga...mas devemos sempre lutar pelo que queremos e por aqueles que devem ter os mesmos direitos que nós...

Blue Velvet disse...

Querida amiga,
passa lá pelo meu blog.
Tens um miminho.
Beijinhos

Anónimo disse...

Felizmente já algum tempo que não via tão grande míseria (em todos os sentidos).
Infelizmente estas imagens não são de agora, e as inumeras campanhas de recolhas de fundos/sensibilização também não. Quem é que não se lembra do Live Aid, Band Aid e por ai a fora!?
Quando vimos tais imagens pensamos sempre que parte de nós podera ajudar a minimizar o problema. Acabando sempre por chegar a conclusão (infelizmente triste) que não conseguimos fazer nada; apenas lamentar por eles, dar graças por termos o que temos começando pela saúde e pensar que somos milhões e milhões no mundo e uma pequena minoria consegue dar cabo da vida de tanta gente...

Victor Nogueira disse...

Gracias. O teu post lá está mas nenhum dos teus comentadores deixou marca rm qualquer dos meus blogs, Mas não te esqueças que sou um «cientista» social que tomou partido desde 16 anos e tenho a consciência do que existe que só pode ser contrariado colectivamente, numa solidariedade internacional que muitas vezes implica a prisão, a tortura ou a morte. Porque os poderosos sabem dividir os pequenos. Têm milénios de sabedoria de opressão, repressão e mentira enquanto os que comem o pão que o diabo amassou têm milénios de repressão, assassinatos colectivos, inquisições e Pides e congéberes, tortura e medo sem consciência da sua força.
Bjo
VM
Sei que poucos lerão isto. Mas fica escrito

Victor Nogueira disse...

Bem, Filoxera
Antes do 25 de Abril havia muito quem se preocupasse com as situações de miséria e de opressão ou exploraão. Como depois. Como sempre. Nos tempos actuais com especial destaque dos militantes do Partido Comunista Português, homens e mulheres com as virtudes e os defeitos do tempo em que estão mas pretendem seja outro. Acusados ontem de estar a soldo de Moscovo para instaurar uma nova ditadura - a dos pobres. E agora sujeitos a voltar à clandestinidade pk em «democracia» se recusa a entregar aquilo que a PIDE nunca conseguiu: entregar o ficheiro de militantes.
As misérias não se resolvem com caridades, mas com lutas e sacrifícios, com perda de carreiras brilhantes e bolsa folgada que teria se aceitasse vender-me por um prato de lentilhas ou uma saqueta de ouro ou diamantes.
Por minha conta desde o 25 de Abril já tenho cinco saneamentos políticos, seguidos de despedimento ou prateleira praticados pelo PS. Os 1ºs foram no tempo desse pai da «democracia» e defensor da «liberdade» chamado Mário Soares. Que deixou filhotes, como um tal Sócrates tão mentiroso e bem falante como ele. Como a maioria daqueles que sairam do PC que foram expulsos em rota de colisão, para se juntarem ao PS e «subirem» na vida com o doce perfume do dinheiro. Com uma única excepção dum que conheci pessoalmente e de teve a minha consideração até morrer: o Barros Moura. Que sendo do PS, não fez qualquer frete à Senhora de Felgueiras/PS, demitindo-se.
A minha avó mterna tinha o seu pobrezinho de estimação. Tal como refere Alçada Baptista em relação à sua família e outras na sua «Peregtinação Interior»
A pobreza e a riqueza não existem por ganância. A ganância é própria dos sistemas socio-económicos cujos senhores vivem à custa da ignorância, da mentira da alienação ou da falta de consciência da sua força se unidos: os explorados que não são donos dos meios de produção. Prendendo, matando, tortutando todos aqueles que tentam pôr em causa o poder e desmascarar senhores e mandantas bem como seus mandatários ou honems/mulheres de mão.
Pk havia povos que receberam os europeus de braços abertos onde não vigorava a «concorrência» e foram logo de seguida mortos, aprisionados ou escravizados por causa de ouro, esmeraldas e outras riquezas.
Bjo
VM

Victor Nogueira disse...

Como vês, a conversa sobre este tema morreu!
Bjo
VM

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin